Todos os servidores públicos que estão trabalhando presencialmente nos órgãos da Prefeitura de Teresina serão submetidos ao teste rápido de Covid-19. Até agora, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) já testou mais de seis mil servidores da saúde e, a partir desta quinta-feira (21), será a vez dos profissionais que atuam nos demais órgãos, iniciando pela Gerência de Zoonoses, Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI), incluindo a Guarda Civil Municipal, e Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (STRANS).

Cada órgão informará aos servidores que estão trabalhando presencialmente o dia e horário da coleta, conforme cronograma definido pela Secretaria Municipal de Administração e Recursos Humanos (SEMA), em parceria com a FMS.

A medida visa cumprir os Decretos nº 19.735/2020 e nº 19.772/2020, assinados pelo prefeito Firmino Filho. “Os testes serão disponibilizados para servidores ativos, que estão desenvolvendo as suas funções no seu posto de trabalho. Com a ação, iremos contribuir para cuidar da saúde dos trabalhadores e para conter a disseminação do novo Coronavírus”, explica o presidente da FMS, Manoel de Moura Neto.

O secretário municipal de Administração e Recursos Humanos, Nonato Moura, explica que foi organizada uma logística de convocação dos servidores de cada órgão da Prefeitura, com o intuito de evitar aglomerações: “Estamos entrando em contato com cada órgão, disponibilizando esse cronograma e pedindo que eles informem aos servidores que estão trabalhando presencialmente a data, horário e local para fazer seu teste rápido”, detalha.

Após realização dos testes rápidos, aquelas pessoas que apresentarem resultados de infecção recente positiva deverão ser afastadas das suas atividades por período mínimo de sete dias, podendo esse tempo ser prolongado após avaliação médica.

Jesus Mousinho, diretora de Atenção Especializada da FMS, explica que as informações sobre o estado de saúde dos trabalhadores serão inseridas no site www.testecovid19.fms.pmt.pi.gov.br. “Essa é mais uma estratégia de monitoramento da saúde e que pode contribuir para traçar a situação da pandemia na capital”, finaliza.

* Com informações e foto da FMS